Tendências para o empreendedorismo e inovação em 2022

Compartilhe:

Estamos nos aproximando da virada de ano para 2022 e mais importante do que a clássica retrospectiva desse período que passou é olhar para frente e identificar oportunidades para o futuro. 

Professor do MBA de Empreendedorismo e Inovação na FIAP e mentor InovAtiva desde 2018, Alexandre Uehara comenta alguns pontos essenciais para ficar de olho no ano que se aproxima, no que se refere a  tecnologia e mercado de trabalho. O profissional começa explicando que, apesar de serem apresentadas separadamente, essas tendências não existem de forma isolada – serão cada vez mais interligadas e interdependentes.

Começando pela mais célebre novidade do ano, o Metaverso. “Tem muitas empresas correndo atrás dessa tecnologia, que vai impactar fortemente nossa experiência no mundo digital. Em alguns anos, estaremos imersos na Matrix”, brinca o mentor. 

Alexandre comenta sobre o leilão do 5G e a guinada de infraestrutura que ele trará ao setor de inovação brasileiro. Segundo ele, a possibilidade de utilizar uma internet mais rápida vai resultar na aceleração de diversas tecnologias, uma delas, o próprio Metaverso. 

“Daqui a pouco nós estaremos nos reunindo em um bar com nossos amigos, usando óculos de experiências imersivas, vivenciando juntos um novo universo por meio do 5G, que estará disponível não só na nossa banda larga em casa, mas também na rua, em todos os lugares”, diz. 

O mentor se refere a esta lista de tecnologias explicando sobre a teoria de hype cycle da Gartner. “As novidades chegam e o público fica alvoroçado, gera um pico de interesse mesmo antes de conhecer como exatamente elas são úteis na prática. É o caso da inteligência artificial, por exemplo. Agora que ela chegou ao platô de interesse, tem sido muito utilizada no ambiente virtual.”

Hyper Cycle da Gartner sobre Tecnologias Emergentes (2021)

 

Acelerada no ciclo 2021.2 do InovAtiva Brasil, e uma das startups que apresentaram seu pitch no InovAtiva Experience, a Virtus Automation & AI é um exemplo de startup que trabalha com robôs (RPA) como um serviço (RAAS) e inteligência artificial (IA) em sua base. Um de seus produtos, o Virtus Analytics, faz a busca ativa pelos interesses dos consumidores online e define automaticamente a melhor estratégia de marketing para alcançá-los. “Este robô foi essencial para nossa validação no mercado. Nosso cliente aumentou 46% das vendas de bermudas em um mês!”, comemora Florêncio Ponte Cabral Jr., CEO da empresa. Além disso, os robôs são fundamentais para que os clientes eliminem trabalhos repetitivos e tenham mais tempo para tarefas mais estratégicas  com maior foco em seus clientes, o que pode reduzir em 70% custos que não trazem resultado ao negócio. 

Segundo o mentor, uma das áreas que mais deve se beneficiar da tecnologia em 2022 é a agropecuária com a utilização de drones para o monitoramento remoto tanto de cultivos quanto de incêndios e condições meteorológicas. Isso, ainda fazendo uso da rede 5G que chegará ao campo, assim como aos centros urbanos. 

Os NFTs também estão na lista de Alexandre como uma das tendências para o ano que vem. “Os tokens não fungíveis são muito úteis para proteger a propriedade intelectual no ambiente virtual e serão cada vez mais utilizados pelas pessoas a partir de agora.”

Além de identificar tendências, o profissional também ressalta um grande desafio no ecossistema: a escassez de profissionais treinados e experientes para atuar como CTOs nas startups. 

“O surgimento de novas tecnologias é uma constante e para estar sempre a frente do mercado, as startups precisam de um CTO (Chief Technology Officer) não somente competente, mas que esteja continuamente atento a novidades. Hoje em dia, observamos profissionais muito jovens em cargos de liderança. Teoricamente, este não seria um problema, mas falta know-how prático para desempenhar plenamente a função”, finaliza Alexandre.