Mobilidade urbana e sua influência em diferentes segmentos da sociedade

Compartilhe:

“Não há mobilidade urbana sem transporte coletivo”, afirma Cristiano Silveira, CEO e fundador da Urmob. O empreendedor escolheu oferecer ao público uma solução para facilitar o dia a dia de quem utiliza ônibus porque acredita que, mesmo com a evolução dos carros elétricos, capazes de se locomover sozinhos por meio de sensores e inteligência artificial, áreas urbanas com grande concentração populacional não podem deixar de investir em recursos coletivos. 

Cristiano Silveira, CEO e fundador da Urmob.

Segundo o empresário, quem está no seu próprio carro, reclamando do trânsito, é mais um causador do problema. No entanto, reconhece que há muito o que melhorar no conforto, na segurança e na organização dos meios de transporte coletivo. “Durante a pesquisa de mercado para desenvolver o produto, uma das respostas recorrentes era ‘não pego ônibus porque não conheço as linhas”, diz. 

O empreendedor resolveu esse problema com seu aplicativo, mas identificou uma utilidade ainda maior: a possibilidade de rastrear cada um dos ônibus para que o usuário não precise esperar tanto tempo no ponto. “É comum que as pessoas fiquem paradas por um período desnecessário à noite, na chuva ou sol quente, enquanto poderiam estar seguras em casa ou dentro de um estabelecimento e ir ao ponto quando for a hora certa.”

Segurança e conforto garantidos para a população

A startup trabalha diretamente com as concessionárias de ônibus, por enquanto, em dez cidades do Rio Grande do Sul. São instalados rastreadores nos veículos que também trabalham com telemetria e conseguem identificar a velocidade, ocorrência de chuva pelo uso do limpador de para-brisa, e até aspectos de segurança e qualidade de condução do motorista. 

“Começamos com uma ideia simples que permitia ao usuário o conforto de saber quando seu ônibus estivesse se aproximando, mas nos deparamos com uma série de vantagens que o serviço proporciona, tanto para o usuário final, quanto para as concessionárias e até para a administração pública”, diz o empreendedor. 

Segundo ele, conscientes de que estão sendo observados, os motoristas dirigem com mais responsabilidade, não negligenciam pontos no caminho e, consequentemente, isso reduz custos de manutenção dos veículos. “Em dois meses, um de nossos clientes economizou R$ 17 mil em troca de feixe de mola, peça responsável por absorver os impactos causados pelas irregularidades do piso.” Isso tudo além de aumentar a segurança e conforto dos passageiros. 

“É impressionante como temos descoberto ainda mais interessados em participar da nossa solução”, conta o empreendedor. Neste momento, a equipe está estudando trabalhar em B2B2C: oferecendo a possibilidade de estabelecimentos próximos dos pontos anunciarem no aplicativo e oferecer internet gratuita aos usuários para que aguardem o transporte enquanto consomem seus produtos. “São muitas ideias e possibilidades, nossa equipe é pequena, precisamos correr para produzir tudo isso”, brinca o empresário.